Jacqueline Godoy (Agosto 2002)

1- Como foi reestrear na seleção brasileira adulta depois de 4 anos nos Estados Unidos?
 
Primeiro foi muito importante o Barbosa ter acreditado em mim e ter me convocado. Como ele não teve oportunidade de me ver jogando, a convocação foi baseada em comentários e estatísticas, o que nem sempre diz a verdade. Reestrear na seleção é sempre bom, mas o mais importante é estar participando ativamente do grupo e estar tendo a chance de jogar. E apesar do Barbosa estar sempre “pegando no meu pé”, isto tem me ajudado muito. Acho importante ter este feedback do técnico.

2 – Que avaliação você faz das suas atuações ?

Acho que fui bem. Lógico que apresentei altos e baixos, mas nesta fase de treinamento isto é normal. Creio que após quatro anos jogando os Estados Unidos, passei a entender e aprimorar muitas outras facetas relevantes a posição de armadora, que as vezes passam desapercebidas pra muitas pessoas.

3 – Qual a sua maior dificuldade na seleção?

Bom, extra quadra é a concentracao. Essa rotina de Hotel / Quadra / Hotel / Quadra e desgastante. Mas isto é uma coisa minha, que eu nao gosto. Na quadra, é a falta de entrosamento com muitas das meninas. Um dos motivos é que nos Estados Unidos o estilo de jogo é diferente, e outro é que nunca joguei com a maioria delas. Tirando a Silvinha, com a qual treinei na seleção brasileira juvenil, a Paty ( Sta Barbara) e a Adriana (Unimep), as outras eu não tive chance de jogar junto. Então às vezes as coisas não acontecem como queremos.

4- Como está sua adaptação ao restante do grupo? Qual e o clima dessa seleção ?

Muito boa!!! Este grupo é muito fácil de lidar e tranqüilo de conviver. Eu estou me divertindo muito com essas meninas mais novas. O clima, apesar de ser seleção, está muito bom. Existe muito respeito entre as jogadoras. Uma pena a Kátia ter ido embora, pois ela realmente anima qualquer grupo !!!

5- O que há de melhor dentro de quadra nessa seleção ?

 
Acho que há varios fatores. Mas principalmente a vontade do grupo em aprender e melhorar e tambem a “humildade” de aceitar seus próprios erros. Ninguém fica querendo justificar um erro acusando outra jogadora. Isso acaba contribuindo muito para o bom clima do grupo. Por exemplo, comigo aconteceu de uma das pivôs pedir para o João tirar erros da minha estatística, pois ela que não havia segurado a bola. Isso pode nao parecer importante, mas cria um clima de confiança e união no grupo.

6- O que precisa melhorar até o Mundial da China?

Não quero ficar em cima do muro, mas é dificil fazer este tipo de comentário. Acho que quando o grupo estiver formado ficara mais fácil visualizar o que deve ser melhorado.

7- A Argentina foi um bom adversário para o Brasil ?

Acredito que sim. O Barbosa teve chance de avaliar as jogadoras e nós tivemos a oportunidade de jogar. A rivalidade entre Brasil e Argentina, em qualquer esporte, também foi um fator importante. Nós sabíamos que elas sempre estariam prontas pra tentar ganhar. Mesmo os dois primeiros jogos tendo sido mais fáceis, o terceiro complicou.

8- Quais suas expectativas para a definição do grupo?

Expectativa é sempre grande! E todas as meninas querem ir ao mundial, mas ainda tem muita coisa pra acontecer e muita menina pra chegar. Eu pessoalmente estou fazendo meu melhor. Se eu acho que eu devo ir!? LÓGICO, se eu não acreditar em mim, quem vai!?!?!?! Hahahaha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: